Desemprego zero

“O desemprego do homem deve ser tratado como tragédia e não como estatística econômica.” (Papa João Paulo II)

Em 1993 experimentei o sabor amargo do desemprego. Por opção, eu deixava um cargo
de gerência de filial numa empresa exportadora de café, onde desenvolvera ao longo de
apenas dez meses um trabalho que elevou a companhia da 45ª para a 21ª posição no
ranking das maiores exportadoras brasileiras em seu segmento.
Era o fim de um ciclo. Não havia mais espaço para crescimento dentro daquela estrutura.
Foi quando cunhei a expressão “bater com a cabeça no teto”.
Tomada a decisão, fui enfrentar a frialdade do mercado de trabalho. As expectativas de
uma rápida recolocação eram elevadas. Afinal, eu era jovem, impetuoso, determinado e
carregava na bagagem uma série de realizações concretas.
O mundo real, no entanto, ensinou-me outras verdades. A tenra idade não era um
aspecto positivo, mas uma fragilidade, pois “garotos” de 21 anos de idade não podiam ter
a experiência exigida para cargos de supervisão e gerência – assim como “velhos” de 45
anos simbolizavam arcaísmo e retrocesso.
Descobri também a existência de algumas regras para entrar no jogo. A formação
acadêmica sólida era a primeira delas. Isso significava, além de uma faculdade de
renome, algo óbvio: o curso superior concluído. E eu abandonara meus estudos para
assumir o cargo que me fora ofertado, pois seria exercido em outro Estado da federação.
Aprendi, ainda, a irrelevância de dominar o idioma pátrio, na linguagem falada e escrita,
ante a fluência em inglês de outro candidato, o qual estaria sempre anos-luz à frente,
mesmo escrevendo exceção com dois ou quatro “s” ou pronunciando “poblema” (sic) a
cada duas frases.
Em meio a tantas outras descobertas sobre como funciona o “sistema”, observei sete
longos meses passarem diante de meus olhos. Ao longo deste período, retomei os
estudos, fiz uma série de cursos práticos complementares, reduzi minha pretensão
salarial. Mas ao término deste período, como não recebera nenhuma proposta concreta
de trabalho, minhas reservas financeiras tinham se exaurido e a autoestima entrado em
colapso.

Dentro deste contexto, parti para a chamada “carreira solo”. Era preciso fazer algo com o
pouco de orgulho próprio que ainda me restava. Era preciso que eu me colocasse
prova. Foi assim que abracei o empreendedorismo como opção de vida. Mais do que uma
necessidade, foi minha tábua de salvação.
Décadas se passaram e o mercado de trabalho continua muito próximo da realidade que
experienciei. As restrições quanto à idade persistem. A formação acadêmica demanda,
nos dias atuais, além do curso superior completo, uma pós-graduação qualquer. O
espanhol tem que acompanhar o inglês, permanecendo o português em segundo plano.
O desemprego é um acontecimento medonho. Quanto mais ele se prolonga, mais
afeta negativamente o profissional. Quando atinge um pai ou um arrimo de família,
então, assume conotação sádica e perniciosa. Apenas quem vivenciou isso consegue
entender o porquê do olhar opaco e dos ombros arqueados daquele que não tem a
possibilidade de dizer ao mundo a que veio.
Por isso, quero convocá-los a uma campanha pelo desemprego zero. Mas não se trata de
uma moção de âmbito governamental. Trata-se de uma atitude, de um lema, de uma
profissão de fé. Trata-se de cada um de nós firmarmos compromisso pessoal para
buscarmos e permanecermos dignamente empregados, seja num negócio próprio ou de
terceiros. Trata-se de você descobrir com a máxima urgência, acima e a despeito de tudo,
qual sua vocação. E segui-la.
Isso abrange também os “empregados-desempregados”, uma categoria de pessoas que
vendem barato seus sonhos, exercendo atividades que não correspondem ao que seus
corações mandam, vagando pelo mundo corporativo como almas errantes.
Espero ver estas pessoas agraciadas pela autoconsciência, para despertarem para quem
são; presenteadas pela coragem, para fazerem o que desejam; estimuladas pela ousadia,
para empreenderem por oportunidade; e sensibilizadas pela emoção, para levarem este
princípio adiante, ofertando, sempre que possível, um novo posto de trabalho,
industrializando a esperança.

* Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados
em 17 países e autor de nove livros. E-mail: tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br, www.setevidas.com.br e www.zeroacidente.com.br